SOBRE INCUBAÇÃO

 

A Companhia de Desenvolvimento do Polo de Alta Tecnologia de Campinas (CIATEC) tem, atualmente empresas incubadas de diversas áreas, mas com um espectro predominantemente na área de Tecnologia da Informação. São empresas da área do agronegócio, farmacêutica e biomédica, produzindo insumos com um leque bastante amplo de aplicações. Também possui empresas na área de petróleo e gás, já entrando em concorrência na Petrobras, na área de cosmético, química, de meio ambiente, entre outras.

No ambiente CIATEC existe uma diversidade industrial extremamente importante. Pensando nessa realidade, a diretoria criou o Café Tecnológico, pois é nessa atmosfera que se gera novos conhecimentos, produtos, empregos e riqueza. O objetivo é reunir donos de empresas incubadas e já graduadas, e convidar membros da comunidade científica e universitária para aprofundar temas de interesse por meio de palestras com representantes de importantes entidades brasileiras de fomento, como, por exemplo, FAPESP e SEBRAE.

“As pessoas passam a se conhecer, a ter uma convivência social melhor e a trocar experiências. A empresa nascente carece de informações sobre o mundo dos negócios, que possui componentes que não decorrem de sua competência técnica. É preciso saber identificar e aproveitar oportunidades. Isso é um dom natural ou a pessoa precisa aprender a fazer negócios”, analisa o Prof. Miranda.

Outros dois eventos criados pela diretoria são os Seminários Especializados e a Expo-CIATEC, uma exposição de inovação e empreendedorismo de base tecnológica, de produtos e processos avançados, destinada a proporcionar às empresas incubadas a oportunidade de dar uma satisfação da natureza e do impacto socioeconômico das suas atividades ao cidadão de Campinas e região.

Os empreendimentos beneficiados pela Incubadora são escolhidos por intermédio de um processo público de seleção, na forma de edital de fluxo contínuo, o que acontece sempre que surge alguma vaga. Se um empreendedor almeja espaço na CIATEC, basta entrar no site da Companhia (www.ciatec.org.br) e fazer sua inscrição, preenchendo um formulário. Também, a cada três meses, é feita uma avaliação e confronta-se os projetos inscritos, dentro de alguns critérios. Depois é analisada a área de atuação da empresa, sua qualidade e o espaço necessário.

É interessante destacar que a maioria das empresas que estão incubadas na CIATEC passaram por um crivo importante, que é o programa de apoio às pequenas empresas da FAPESP, o Pipe. O tempo de incubação é de três anos, podendo ser renovado por mais um ano. Como o investimento é público, a CIATEC deve assegurar igualdade de oportunidade a todas as empresas que pleitearem espaço. Porém, existe uma flexibilidade do tempo. Dependendo da empresa e do produto que está sendo lançado, não dá para graduá-la antes do final do seu projeto. Ela pode estar fechando um negócio e precisar do espaço por mais dois ou três meses, para receber o investido e ultimar contratos. Assim, é compreensivo que se estenda esse prazo por mais um tempo.

A CIATEC oferece espaço físico, água, energia elétrica, auditório com equipamento multimídia, salas para reuniões, serviço reprográfico, acesso à internet rápida, sistema de Gestão e assessoria empresarial. No início de 2014, a nova diretoria fez uma pesquisa para conhecer as empresas que passaram pela CIATEC, com o objetivo de saber como elas estavam atuando no mercado e quanto estavam faturando. A taxa de sobrevivência dessas empresas gira em torno dos 50%, a diretoria. Algumas empresas estão faturando na um número muito bom para casa dos milhões de dólares, com filial no exterior.


Prof. Luiz Carlos Moura Miranda obteve seu PhD em Física pela Universidade de Oxfordem 1972. Ao longo de sua carreira publicou mais de trezentos trabalhos em revistas científicas internacionais, tendo trabalhado com o Prof. W.E. Lamb (prêmio Nobel de Física 1955) em 1975 patrocinado pela John Simon Guggenheim Foundation. Exerceu a docência em diversas universidades brasileiras (UFPE, Unicamp, UnB e Maringá).