CAMPINAS IMPORTANTE CENTRO TECNOLÓGICO MUNDIAL

Post 1

Uma matéria editorial da revista holandesa Rotterdam Week elencou ano passado, as 10 cidades que representariam, nesse momento, no Brasil, as melhores apostas para investimento em alta tecnologia, para eventuais investidores da União Europeia. A cidade que aparece em primeiro lugar na pesquisa é Campinas, pelas características que a reportagem detalhadamente lhe atribui, em particular a infraestrutura oferecida: universidades, centros tecnológicos, mão de obra especializada, localização, políticas públicas, etc. De fato, Campinas apresenta hoje, entre as cidades brasileiras, aquela que exibe a maior densidade de entidades que podem dar suporte ao desenvolvimento tecnológico inovador, na industrialização de produtos e processos de alto valor agregado.


“A responsabilidade da Ciatec em ajudar a manter esse padrão de reconhecimento da cidade, e da nossa própria empresa como indutora e promotora de uma cultura do empreendedorismo inovador, é muito grande. Será uma conquista que marcará, no âmbito das realizações em CT&I, a administração do nosso atual prefeito, Jonas Donizete”, comenta o Prof. Lima.


O potencial de suporte tecnológico e a oferta de formação de mão de obra altamente especializada, a que se refere à reportagem acima, começa com a nossa universidade planetária, a Unicamp, que tem pessoas oriundas de mais de 60 países estudando ou ensinando, em seus quadros; a PUC-Campinas, o ITAL, o IAC, um dos mais tradicionais institutos de pesquisa do Brasil, o CTI, o CPqD, a Embrapa, e tantas outras instituições, inclusive e especialmente, o Laboratório de Luz Síncrotron que, desde sua inauguração, representa o único sistema de diagnósticos de novos materiais, em particular os nano-materiais, a nível atômico e molecular, da América Latina e cuja nova versão, já em construção com tecnologia inteiramente brasileira, o SIRIUS, será único no Hemisfério Sul com suas características”, disse o Professor.


“Campinas possui muitas qualidades atrativas, em nível internacional, para novos empreendimentos empresariais multinacionais de base tecnológica que aqui aportem, e que irão definitivamente precisar e utilizar esse instrumento único para diagnóstico da qualidade de seus produtos de nanotecnologia. Essa teia de entidades que oferecem esse suporte tecnológico é que fará com que Campinas venha representar, muito em breve, o ícone da tecnologia mais avançada do país para a inovação tecnológica e, consequentemente, para a geração de emprego, renda e desenvolvimento, com um impacto social extraordinário, não só na cidade e sua região metropolitana, mas igualmente na região administrativa da qual Campinas é também a capital metropolitana, enfim em todo o Estado de São Paulo e no Brasil, porque contribuirá para alavancar, de forma dinâmica e competitiva, a indústria da inovação tecnológica nacional. Informações recentes divulgadas através da Agencia Senado dão conta dos trabalhos em fase avançada em relação a uma lei federal (PEC - Proposta de Emenda à Constituição 12/2014) que incluirá na Constituição Federal a pesquisa e a inovação tecnológica entre as competências comuns da União, dos Estados e dos Municípios. Proposta pela Câmara dos Deputados, esta PEC visa estimular a criação de soluções tecnológicas para o desenvolvimento do setor produtivo brasileiro.

Aprovada em 26 de Novembro de 2014 na CCJ do Senado Federal esta PEC contempla entre outras importantes medidas a possibilidade de estender o financiamento público à pesquisa e à inovação para além das instituições universitárias, passando a incluir neste escopo instituições de educação profissional e tecnológica, e estende também aos Estados a responsabilidade pela capacitação de quadros para a inovação tecnológica, até então restrita ao desenvolvimento científico e à pesquisa básica. Se aprovada, esta PEC possibilitará o compartilhamento de verbas antes destinadas exclusivamente à investigação científica para utilização em desenvolvimento tecnológico, incentivando a articulação público-privada, inclusive com parceiros estrangeiros. Contempla igualmente regimes cooperativos “conhecimento-empresa-governo” inclusive com a possibilidade da participação de empresas e países estrangeiros inclusive através de mecanismos de transferência de tecnologia, bem como politicas de estimulo ao estabelecimento de polos tecnológicos, parques e incubadoras como ambientes promotores da inovação. A nova administração da CIATEC vê, com profunda expectativa, a aprovação final desta PEC, pela profunda influencia que terá na consolidação de sua missão institucional” concluiu o Prof. Lima.